Descobridor de palavras e leitura compartilhada

Nesta semana eu li um livro que conta a história de um menino que gostava muito de ler e de descobrir palavras diferentes, e eu também descobri o que quer dizer “leitura compartilhada”.

Théo voltava da escola de ônibus com sua irmã mais velha quando avistou, pela janela, uma placa que dizia o seguinte: “Precisa-se de Encafronhador com experiência em Trombilácios”. Cutucou sua irmã, Driel, que ouvia música nos fones de ouvido. Primeiro ela o olhou com cara de desprezo, mas depois também ficou interessada e até tirou os fones das orelhas. O pai deles estava desempregado há meses e o anúncio prometia “excepcional remuneração”.  – Tem oferta de emprego para um encafronhador. Você sabe o que é isso? Théo perguntou a sua irmã. – Não tenho a menor idéia. Lá em casa a gente pergunta para o papai. É mais ou menos assim que começa a história do livro O encafronhador de trombilácios, de Rosana Rios, com ilustrações de Biry Sarkis. Lá no fim deste post tem um pouco sobre a vida e o trabalho deles, suas biografias. A Editora Scipione lançou este livro no ano passado.

Théo gostava muito de ler. A mãe lia muitas histórias pra eles e assim acabaram aprendendo a ler bem cedo. A mãe morreu quando Théo tinha seis anos e Driel, nove e eles herdaram dela uma sala cheinha de livros. Ele já estava acostumado, desde muito pequeno, a procurar as palavras novas no dicionário. E assim que chegou em casa foi pesquisar o que significavam encafronhador e trombilácios. Théo gostava de descobrir palavras novas e como lia muito sabia algumas que ninguém desconfiava o que eram.  Uma vez, quando estava no primeiro ano, foi parar na diretoria porque chamou a professora de peremptória, mas depois foi perdoado quando descobriram o que significava isso. Quando brigava com os amigos ao invés de dizer palavrões os chamava de reles, estúrdio, abstruso e outras palavras legais que só ele sabia. É o Théo quem conta esta história, ele é o narrador (eu também vou descobrindo palavras). Mas Théo não encontrou o significado destas palavras, elas não estavam no dicionário. Fiquei curioso, li o livro até o final para descobrir o que queriam dizer encafronhador e trombilácios e me diverti muito com esta história.

A segunda parte deste livro começa quando o pai vai trabalhar de encafronhador e eles passam a morar em uma rua bem tranquila chamada “alameda Reta”. Essa rua era cheia de álamos e é por isso que não era chamada de rua e sim de alameda. Nesta alameda tinha escola, onde os meninos foram estudar; tinha padaria, sempre com pães quentinhos; as frentes das casas eram gramadas; tinha a oficina do Nerdínio, onde o pai foi trabalhar de encafronhador; tinha uma loja de presentes; tinha as Lojas Turíbio, um galpão enorme que vendia móveis e eletrodomésticos; tinha uma quitanda, que vendia frutas, verduras e doces; não tinha supermercado, tinha um empório, que vendia de tudo; tinha uma casa branca, onde eles foram morar; e também tinha uma livraria. Numa certa manhã a tranquilidade da alameda Reta foi quebrada pela demolição da Loja Turíbio. A partir desse dia, toda vizinhança começou a receber propostas para vender suas casas. No lugar das casas seriam construídos enormes edifícios.

A leitura compartilhada

 Falei para o meu tio que eu estava lendo este livro e contei um pouco da história. Ele ficou muito interessado e também quis ler o livro. Ele adorou e contou pra mim, que quando era criança, também morou numa rua assim. Como na alameda Reta, as pessoas que moravam na rua do meu tio eram como se fossem uma única família. Elas tinham uma vida simples. Meu tio disse que teve muitos amigos na infância. Jogavam bola, bolinhas de gude, rodavam pião, empinavam pipas, brincavam de pique e esconde-esconde. Essa rua ficava em um bairro, aqui mesmo, na cidade de São Paulo. Ele disse que lá também chegaram os “especuladores imobiliários”. Derrubaram as casas e no lugar construíram prédios luxuosos. – Hoje esse bairro é considerado nobre, mas não tem a elegância do bairro da minha infância, disse o meu tio com um olhar de saudades e uma lágrima nos olhos.

Fiquei muito feliz pelo meu tio ter lido um livro que eu li. Foi bem legal ele se lembrar da infância dele e contar pra mim o que achou do livro. Eu percebi que as pessoas descobrem coisas diferentes, mesmo quando lêem o mesmo livro. O meu tio descobriu coisas na história que eu não descobri, e eu descobri outras coisas que ele não tinha descoberto. E é muito bom trocar essas coisas. Outro dia eu ouvi uma escritora falando sobre leitura compartilhada. Se eu pudesse conversar com ela, queria saber mais sobre esse assunto. Mas de uma coisa eu já sei: leitura compartilhada é isso que eu fiz com o meu tio. E é isso que eu também quero fazer com este blog: compartilhar as minhas leituras. Por isso eu gosto tanto quando deixam comentários aqui no blog, eu fico muito feliz e respondo a todos.

Rosana Rios é formada em Educação Artística e Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Além de escritora, também é ilustradora, trabalha com arte-educação e escreve peças de teatro. Quando pequena, adorava ler, mas nunca imaginou que se tornaria uma escritora. Tudo começou quando seus filhos eram pequenos, e ela começou a inventar histórias para contar a eles. Naquela época, já era formada em Belas-Artes e trabalhava como desenhista numa empresa, mas inventar histórias lhe agradou tanto que começou a escrever e a trabalhar com isso. Primeiro, foi roteirista do programa Bambalalão, na TV Cultura de São Paulo; mais tarde trabalhou na TV Bandeirantes e na TV Record. Começou a publicar em 1988 e já fez uns 100 livros. Ela disse que o que mais a deixa feliz é saber que alguém leu um livro seu e se emocionou, se divertiu e viajou na aventura. 

Desenho de Biry

Biry Sarkis é desenhista e autodidata – aprendeu a desenhar sozinho. É mineiro e tem duas filhas, a Lua e a Clara, suas companheirinhas e muitas vezes fontes de inspiração para o seu trabalho. Já fez ilustração para muitos livros e revistas infantis. Com os seus desenhos ajuda a contar histórias e também cria as suas. Quando era pequeno ele brincava muito, principalmente na rua, na cidade de Caxambu, onde passou sua infância, em Minas Gerais.

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Twitter
  • Live
  • Orkut
  • PDF

10 Comentários para "Descobridor de palavras e leitura compartilhada"

Deixe o seu comentário