Mais dois contos de enigma

Os contos de Enigma dos alunos da Luiz Gatti

Conforme prometi, hoje publico mais dois contos de enigma, dos alunos do 8º ano, da Escola Municipal Luiz Gatti, de Belo Horizonte, os novos colaboradores do blog. Os contos são resultado do nosso clube de leitura. Inspirados pela leitura de “Os dançarinos”, história de Sherlock Holmes, contada pelo Dr. John H. Watson e escrita por Sir Arthur Conan Doyle, eles escreveram, a pedido da professora Luciana, seus próprios contos de enigma.

No primeiro conto de hoje “O sumiço de Mia”, de Ludmila Stefane, duas amigas, Mia e Barbara, tentam reatar a amizade em um passeio no parque. Será que vai dar certo? Já no segundo, “A carta secreta”, Júlia Vieira conta a história de Agnes, que procura um detetive para desvendar o mistério, que fez com que sua melhor amiga, se distanciasse dela.

O sumiço de Mia

Ludmila Stefane 8ºA

Ludmila Stefane 8ºA

Era pra ser um dia normal mas tudo mudou com a ligação que Mia recebeu.

Ela estava bem, mas depois da ligação, Mia ficou triste. Então resolvi perguntar quem era, mas ela não disse muita coisa, falou que era uma amiga e não tocou mais no assunto. Mais tarde ela falou que iria sair, pois tinha passado a manhã inteira no quarto e depois de meia-hora, ela saiu. Não a vi mais o dia inteiro e Mia só reapareceu à noite, triste e pálida. Então fiquei preocupada e sentei-me do seu lado para conversar sobre o que estava havendo com ela, pois já fazia tempo que não via minha irmã assim, como no dia em que mamãe morreu, há 3 anos. Quando entrei no quarto de Mia, ela estava deitada em sua cama, chorando. Pedi a ela pra me contar o que aconteceu porque eu fiquei preocupada com ela. Ela me falou que tinha brigado com Bárbara, sua melhor amiga e que tinha saído para encontrá-la, mas que preferia não conversar com ela…

2 semanas depois …

Bárbara e Mia se entenderam e decidiram marcar um passeio em grupo: Caio, George, Mia, Gabi e Bárbara foram em um parque. Todos aproveitaram, foram em todos os brinquedos do parque, comeram pipoca, algodão doce etc. Bárbara e Mia se aproximaram mais. George e Gabi aproveitaram pra se conhecer melhor e Caio quis ir mais algumas vezes nos brinquedos. Ficaram mais algumas horas no parque, mas na hora de ir embora algo terrível aconteceu. Mia sumiu, Bárbara me ligou desesperada falando que Mia sumiu, fiquei desesperada e pedi Bárbara para me passar o endereço do parque. Chegando lá, procuramos em todos os lugares até que…

– Você está bem, quer continuar? perguntou o detetive.

– Sim, estou bem quero continuar sim. Respondi chorando e continuei.

Quando perguntei a Bárbara onde foi a última vez que viu Mia, ela falou que tinha sido na fila  do algodão-doce.

Então fui olhar se ela ainda estava lá por perto foi quando vi uma lixeira perto de uma árvore no fim do parque então assustei, lá estava Mia atrás da lixeira, morta .

– Você desconfia de alguém, detetive ?

– Humm talvez.

– Quem?

– A melhor amiga de Mia, pelo que estou vendo ela é a que passou mais tempo com Mia.

– Humm sim.

-Você poderia chama-la?

– Sim, claro!

Bárbara chegou contou tudo que sabia do momento que chegaram até o momento do sumiço, mas Bárbara teria falado a mesma coisa que o detetive sabia?

– Então detetive? Eu e Bárbara perguntamos.

– Irei olhar as câmeras de segurança e também irei conversa com a Gabi e os meninos.

– Quer que os chame, detetive?

– Não, irei ver primeiro as câmeras segurança.

– OK

No parque ,o detetive olhou na câmera e viu que era uma pessoa que usava um capuz preto que matou Mia, mas como não tinha nenhuma prova concreta, o detetive teve um plano, que precisaria de mim. Ele falou que eu poderia ser a culpada da morte de Mia mas como na câmera de segurança tinha afirmado que eu não estava lá eu não era considerada uma suspeita.

O plano …

O detetive me pediu pra que chamasse Gabi ,Caio ,George  e Bárbara. Eu falei coisas que fizessem que eles se emocionassem se algum deles fosse o culpado iria confessar.

Fiz o que o detetive pediu falei que estava muito triste que seria impossível viver sem ela minha irmã Mia, que sem ela minha vida não seria a mesma coisa. Confesso que achei que não daria certo ,mas fiquei impressionada. Caio falou que tinha matado Mia porque tinha discutido com ela.

– Porque você fez isso? Você acabou com a vida da minha irmã! Falei ainda chorando

– Por conta da nossa discussão, eu empurrei ela e ela caiu e desmaiou, achei que ela não estava morta, entrei em desespero  e peguei uma faca que estava em minha bolsa e a matei.

Nesse momento, o detetive chegou e prendeu Caio. Ele ficou desesperado e gritando:

“me perdoa, por favor não foi de propósito”

A Carta Secreta

Julia Vieira 8ºA

Júlia Vieira 8ºA

– Olá, detetive, meu nome é Agnes, tenho 29 anos e tinha uma amiga que conheci há 15 anos atrás, tinha 9 anos quando a conheci, já faz 5 anos que não a vejo, que não falo com ela, e algo a separou de mim, pois éramos melhores amigas e agora ela não quer mais me ver ou até mesmo, me ouvir. Chamei o senhor para que descubra o porquê, se for possível, é claro.

– Olá, Agnes, boa tarde, meu nome é Armando, tudo bom?

– Não muito, pois estou com isso na cabeça e não paro de pensar nisso.

– Olha, vou te ajudar, mas preciso de mais detalhes

– Obrigada. Ela trabalha no mesmo lugar que eu, na ADIDAS.

– Ela tem alguma amiga no trabalho?

– Sim, e por sinal elas são muito amigas.

  Agnes, hoje vou lá no seu trabalho e irei fingir que não te conheço, ok?

– Ok!

Chegando lá…

– Olá, boa tarde meninas, queria saber quanto é esse tênis cinza?

– Olá boa tarde, pode me acompanhar por favor. Disse Taís.

– Agnes, toma, anda e não deixe a Taís ver. Disse Maitê.

2 horas depois…

  Senhor, Armando, que bom que te achei, a Maitê me deu essa carta:

                                                  PFMAA   ISAT  +

– Posso levar pra casa, para estudar?

– Sim, pode!

15 dias depois outra carta:

                                                   + ISAT   TMA

– Agnes, você precisa fugir com a Maitê, ela está sendo ameaçada!

– Como? Por quem?

– Veja a explicação: PFMAA ISAT´+ =Por  Favor Me  Ajuda A TAÍS +=morte. Agora, rápido. Olham vou enrolar a Taís e você foge com ela para esse endereço, para esse número, com essa chave e me aguarde…

Chegando lá…

-Olá, ééé Taís? – perguntou Armando.

– Isso, boa tarde, posso te ajudar?

– Sim, eu gostei muito daquele tênis cinza, você lembra? Tem ele de outra cor?

– Sim, temos vinho, azul, preto, branco. Quer dar uma olhada?

– Sim, por favor.

Enquanto isso…

– Maitê, rápido vem!

– Aonde?

– Não me faz perguntas agora, anda vem!

– Tá, calma vou pegar minhas coisas!

– Não, anda vamos, não temos tempo…

Chegando lá…

– Onde é isso? Onde estamos? É sua casa?

– Não sei, meu detetive me entregou essa chave e esse endereço.

– Mana, isso e um golpe vamos para um aeroporto por favor, lá eu te explico o que tá acontecendo!

Chegando lá…

– Ela estava me ameaçando e o seu “detetive” estava junto com ela, a Taís matou a minha irmã e foi presa por um bom tempo e ela voltou para me matar…

– Meu Deus…mais o que meu advogado tem a ver com isso?

– Eu escutei eles conversando no telefone e ela deu um bom dinheiro pra ele ajudar a matar nós duas para ninguém ficar sabendo e finalizar o serviço. Mas agora vamos esquecer isso e nos divertir pois estamos indo para os EUA e eles nunca irão nos encontrar…

 

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  1. Oi Heitor, gostamos muito do conteudo que voce postou!
    Gostamos muito do enigma “o sumiço de Mia”.
    Acompanhamos muito seu blog.

  2. Achamos muito legal os contos,bem interessantes ,gostamos muito da historia do “Sumiço de Mia” e as outras em geral.Sucesso para os novos escritores.

  3. Oi Heitor, bom dia!
    nos amamos todos os contos, achi todos bem interessantes. Gostaria de mais posts desse tipo.
    Tchau Heitor, beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *