A palavra escondida – último capítulo

Hoje vamos continuar o nosso clube de leitura com os alunos da professora Luciana (e quem mais quiser participar) e ler o último capítulo da história d’A palavra que não queria dizer seu nome, de Jorge Miguel Marinho. Será nossa última chance de descobrir que palavra é essa, envergonhada, que se esconde dentro do dicionário.

Neste capítulo, até o dicionário perdeu a paciência e disse que a gente tem que colaborar com ele: “Não sou só eu que tenho que dar conta de todos os significados desse mundo, e sozinho”, ele se queixou e ainda deixou um aviso: “se ninguém der uma força, ela vai acabar perdendo a memória e uma palavra que não sabe mais o nome dela morre de amnésia”.

Então, leiam o último capítulo e deem seus palpites, no próximo post, teremos a resposta e vamos saber quem acertou e quem errou. Pois nesta semana mandei um e-mail para o Jorge Miguel Marinho, perguntando como a gente ia fazer pra dar a resposta, já que nem sei direito que palavra é essa, tenho meus palpites, mas não tenho certeza.

E ele me respondeu dizendo que vai escrever um texto, especialmente para o blog, e revelar o nome da palavra. Nesse texto, ele ainda vai mostrar outras curiosidades sobre os diversos sentidos dessa e de outras palavras. Que maravilha! Nosso clube de leitura, que já estava ótimo, vai ficar melhor ainda, com a participação do próprio autor, nesse encerramento tão especial.

A PALAVRA QUE NÃO QUERIA DIZER SEU NOME…

(última parte)

Jorge Miguel Marinho

Leia agora a última parte da história de Jorge Miguel Marinho e dê seu palpite. Que palavra é essa que não quer dizer seu nome? O resultado sai no próximo post, a palavra será revelada pelo próprio autor e vamos ver quem acertou.

Um dia o Dicionário, que tinha acordado muito preocupado com o destino da palavra que tinha vergonha do nome dela, pediu ajuda bem autoritário. Escuta como ele também estava nervoso:

“Alguém tem de descobrir o nome e o sentimento dela. Um pouco de companheirismo, gente. Tudo eu! Nada disso! É claro que eu sei que é meu trabalho, agora não sou só eu que tenho que dar conta de todos os significados desse mundo, e sozinho.  E tem mais uma coisa: se ninguém der uma força, ela vai acabar perdendo a memória e uma palavra que não sabe mais o nome dela morre de amnésia”.

E a palavra Preguiça perguntou louca e descabelada:

“Amnésia? Quem é essa agora?”

Os alunos da professora Luciana lendo o blog

E o Dicionário respondeu com o dedo em riste:

“Está vendo só como tudo tem que ser comigo. Que falta de respeito da senhora! Larga a mão de ficar se espreguiçando e procura na rua A que fica antes da quadra B e bem distante da avenida O de Oras Bolas! Carambolas!”

E a palavra Justiça procurou dar uma ordem na ordem alfabética:

“Isso é uma questão de direitos humanos, digo de direitos das palavras. Trata-se de um problema de cidadania, de preservação do nome, da identidade, dos sentidos das palavras, até de saúde pública, pessoal! Não tem o perigo dessa palavra esquisita morrer da tal de amnésia? Pois então… Não podemos ficar de mãos atadas.

Por que então a gente não se une, conta esse caso estranho dessa palavra encabulada e pede ajuda para as pessoas que adoram decifrar um enigma?”

E a palavra Enigma avançou tão pomposa que quase caiu na praça F:

“É claro, companheiras! Desculpe o engano… É claro não! Comigo é tudo no escuro porque eu não sou nada fácil. Mas é uma idéia”.

E ela não parou aí. Essa palavra enigmática que adorava um mistério pensou mais um pouco e lançou um desafio para cada uma das outras palavras bem alto:

“DECIFRA-ME OU DEVORO-TE!”

Mas a palavra Ficção tinha que inventar e foi logo defendendo o seu pedaço para entrar bem depressa no mundo da imaginação:

“Como é que você pode desafiar a gente para desvendar um mistério, se nem você mesma sabe o nome dessa palavra que tem vergonha do nome dela?”

E continuou bem posuda, bem inventadeira, toda cheia de fantasia:

“Tenho uma ideia muito melhor. Que tal a gente ir escrevendo, todas juntas, uma história e publicar num jornal, numa revista, até num folheto e pedir o apoio das crianças? Podia ser qualquer pessoa, mas criança não tem medo de palavra e adora uma aventura!”

E o Dicionário pôs a mão na cabeça e decidiu:

“É, me parece uma boa ideia, mas temos de arrumar um escritor.”

Foi aí que eu fui convidado para sorte minha que só sei mesmo contar história. E depois eu não estava fazendo nada mesmo. É evidente que o Dicionário me disse, bem baixinho e com todas as letras, o nome da palavra que tinha vergonha do nome dela. Mas nem pense nisso – eu estou proibido de contar o nome dela. É condição, se não ela não se salva.

O que na hora eu achei muito bom porque história não vai se entregando assim logo de saída, história a gente descobre.

Credo em cruz, eu falei tanto que quase esqueci o nome da palavra que tinha vergonha do nome dela. Vai lá então.

Depois que essa palavra deu de passar maquiagem e usar traje violeta, a coisa piorou. Ela estava pirada mesmo! Imagine que ela começou a ouvir vozes e resolveu escutar as outras palavras que é o que você devia fazer. E, de tanto prestar atenção, ela chegou a ouvir conversa de gente também.

Num dia de sábado à noite, lá pelas vinte e uma horas e trinta e três minutos e treze segundos, ela escutou alguém bastante enfurecido dizer que essa palavra não podia ter um significado tão estranho porque todo mundo falava dela no rádio, no jornal, na televisão, no ônibus, no metrô e em tudo que é lugar.

Os alunos da professora Luciana lendo o blog

Não deu outra: a palavra ficou tão apavorada que pulou fora do Dicionário e foi se alojar na laje da casa onde ele mesmo, o Dicionário, morava. Ficou mais medrosa ainda, aterrorizada, em pânico e se pôs a morder a língua com tanta agressividade que gritou… Gritou não, berrou sem querer de dor:

“Ohhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh…” E o Ó do nome dela começou a chorar de horror.

E agora? Você escutou o choro dela ou não?

nããããããÃÃÃÃÃÃÃÃÃ? Não acredito! Escritor tem que ter um saco do tamanho do mundo com criança que não escuta. E com gente grande também!

Não é por isso que eu vou contar tudo de novo. Quem não escutou procura no Dicionário o que é ovo de corvo branco como ano novo e que só sabe comer carniça de polvo e quem sabe você consegue encontrar um caminho novo que é o contrário de caminho torvo.

É claro que você acreditou nessa e eu, que sou escritor, enganei você o bobo na casca do ovo que nem descobriu até agora o nome dessa palavra que tem Ó de Ovo, C de Corvo, N de Novo e V dentro de Polvo.

Agora você escutou, não escutou…? Então a palavra já pode morar outra vez no Dicionário, mas não sei se ela ainda vai continuar tendo vergonha do nome dela. Se eu fosse ela, eu ia ter, agora você eu não sei…

Fimmmmm………

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  1. HEITORRRRRRR! Está muito difícil ou eu não sou boa para decifrar enigmas! Vamos ouvir as sugestões dos alunos!

  2. Oi, Professora Luciana. Eu tenho meus palpites, mas não tenho certeza de nada, vou esperar… e vamos ver o que os alunos acham.

  3. Ola`novamente Heitor eu não sei não , mas pode ser que seja estupidez porque pelo meus pensamentos , parece ter todos os dados da palavra kkkk .Mas vamos tentar mais e achar eu acredito !

  4. Oiii , Heitor eu tenho meu palpite e esta um pouco difícil eu não sou boa pra decifrar essas coisa mais vamos lá meu palpite e da minha amiga é “inconveniente”.

    Abraços … Lorena e Maria Cecília

  5. Viix Heitor, que suspense é esse em, até agora não me veio na cabeça procurei, tentei, pesquisei e até agora não me veio na cabeça de jeito nenhum mesmo com todas essas dicas, tá bem difícil. Esperarei ansioso o próximo post para descobrir essa palavra em.
    Abraços,
    Jordhan Jackson O. Mendes.

  6. olá Heitor , tudo bom ?
    olha agente aqui de novo
    essa palavra esta muito dificil ,
    mais não vamos desistir
    vou tentar chutar !
    eu acho q a palavra e : CONVENCER

  7. oi heitor pesquisei no dicionario de sinonimos e não achei a palavra com 9 letras com as letras o,c,v,n
    lucas felipe

  8. Olha eu de novo kkk eu e os meus amigos daqui entramos em assuntos sobre a palavras e juntamos tudo e chegamos ao acordo que a palavra pode ser Violência !!

  9. Agora ficou fácil. Onde está o Mário??? Mário, acho que você acertou, hein. Se essa palavra não for violência, aí vou ter que desistir dessa vida de “Detetive”.
    Estarei aqui no próximo post com a curiosidade dobrada.
    Abraço em todos.

  10. Vou chutar Veemência. Mas só consigo pensar palavras muito parecidas agora, isso é perigoso em adivinhação. Não sei se tá quente, quente-quente, ou queimando. Tem que repassar toda a história, algumas dicas eu esqueci.

  11. Leni e Mário, que bom que vocês estão participando desse clube de leitura com a gente! Continuem com a gente até semana que vem! Bjs

  12. Oi, pessoal. Confirmado! O Jorge Miguel Marinho vai mandar uma carta pra gente, com a resposta da palavra escondida e eu vou publicar amanhã, quarta-feira, dia 09/12, aqui no blog.
    Até amanhã. Beijos e abraços, Heitor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *